14 fevereiro, 2008

De volta pra casa

A pequenina borboleta
passeou entre as flores,
bateu suas asas
em ritmos frenéticos
e vôos lentos.
Festou a natureza,
encheu de cores os olhos vazios
e voltou para o seu casulo.
Fechou suas asinhas,
se cobriu com o manto cinza
e por lá ficou,
esperando a próxima primavera.

3 comentários:

giuseppe de chou disse...

Ibernar é deixar-se puxar pelo cordão na contra-mão. Se um ano se divide em quatro estações, meu coração se parte em quatro primaveras.

Cecilia Egreja disse...

Caro Giuseppe, apenas uma observação:
Coração que se parte em primaveras, floresce saudade.

Giuseppe de chou disse...

"Palavra triste, quando se perde um grande amor (...) Igual a uma borboleta vagando triste por sobre a flor (...) Você nem sequer se lembra de ouvir a voz..." Mas a borboleta (inquieta) não espera e(impaciente) provoca a próxima primavera.