30 dezembro, 2007

Acerto de contas


Pensei, repensei e perdoei você.
Entendo que não fez por mal,
o mal que me fez...
Perdôo, mas sinceramente,
não quero ser sua amiga.
Boa noite, solidão.
Agora vá. E me deixe só.

Um comentário:

Edson Marques disse...

Cecília,

Belíssimo poema!



Mas a Solidão detesta seus inimigos. Ela, contraditoriamente, só abandona os seus amantes...

Portanto, ame-a e ela te deixará!


Abraços, flores, estrelas..